Navan é uma banda brasiliense de pop rock alternativo, composta por 5 integrantes, que veio de uma “idéia distante” mas que se mostra com um potencial enorme. Apesar de todos estarem na faixa de 19 anos, não se deixe enganar, eles trazem uma grande carga cultural, deixando bastante evidente em suas musicas.

Têm como influências bandas bastante renomadas como: Foo Fighters, Red Hot Chilli Peppers, Royal Blood, Arctic Monkeys, Dona Cislene e Scalene.

WhatsApp Image 2017-07-25 at 19.55.06

Alicia Pilar, 17 anos, estudante e vocalista da Navan. Não se deixe enganar com seu tamanho e idade, a “líder” do grupo já demonstra bastante destreza. Algumas horas nos deixa bastante impressionados com a similaridade que a voz dela  tem com a de Florence (Florence+Machine).

WhatsApp Image 2017-07-25 at 16.32.28

Gustavo de Paula Peres Schirmer de Bem (Gus de Bem), tem 19 anos, estudante, franqueado do BFC (Águas Claras) e bateirista da banda. Sua good vibe é posta dentro e fora do palco, me fez lembrar de Taylor Hawkins (Foo Fighters).

WhatsApp Image 2017-07-25 at 18.14.51.jpeg

Mateus Matos (Harry), tem 18 anos, é estudante e baixista da banda. Não tem como olharmos pra ele e não ver um personagem de filme cult. Harry é autêntico e demonstra isso no seu som e na sua pose em palco.

WhatsApp Image 2017-07-25 at 17.15.03.jpeg

Matheus Machado, tem 19 anos, é estudante e guitarrista. Todo seu jeito nos remete a bandas grunges como Soundgarden, Alice in Chains. Ele nos traz uma nostalgia como se tivesse sido tirado dos anos 80-90.

 WhatsApp Image 2017-07-25 at 19.28.47.jpeg

Pedro Gonçalves, tem 19 anos, é estudante e guitarrista. Ao bater o olho no guitarrista da NaVan, você volta aos anos 60, e percebe toda a influência de Beatles que existe ali (provavelmente mais pro final da década supracitada).

 

E por que “ideia distante”? Ao serem questionados como se deu a origem da banda, responderam que o grupo foi sendo arquitetado a partir de momentos. O Pedro (guitarrista), Gus (baterista), Matheus (guitarrista) e um amigo em comum deles costumavam se juntar pra tocar alguns covers que eles gostavam apenas por descontração. Com o tempo, foi ficando apenas o Matheus e o Gus, e como Harry (baixista) tinha o hábito de ir aos ensaios, os outros dois amigos o convenceram de tocar baixo. Futuramente, convidaram Alicia (vocalista) e Pedro (guitarrista) pois decidiram levar mais a serio e de fato se tornarem uma banda.

E como surgiu o nome da banda?

“Estávamos nós 5 na casa do Matheus (guitarrista) pensando em vários nomes aleatórios, em meio a várias ideias bostas, surgiu Navan. Ou seja, foi de um jeito aleatório mesmo”

Qual foi o ano que vocês começaram a levar como responsabilidade?

“Levar a sério mesmo acho que esse ano, passamos a ensair quase todo final de semana, estamos focados em gravas e lançar material autoral de qualidade, e passamos a ser mais críticos tanto com as nossas habilidades individuais quanto as de grupo. Sempre com o inuito de melhorar o nosso som” (Harry)

Quem ou quais são/foram as inspirações que fazem/fizeram vocês a tocarem?

“Foi quando eu comecei ir bem novo nos shows da Dona Cislene (junto ao Matheus e ao Harry). Mas a pessoa que mais me inspira é meu irmão porquê eu o amo, além de ser incrível dando o maior suporte para a NaVan” (Gus)

“Que fizeram com que eu me interessasse em música no geral, eu diria que meu Tio Kleber. Ele que me apresentou ao meu gênero preferido hoje em dia. E o Matheus, sempre admirei sua paixão pela música e acredito que me contagiou um tanto. Em relação ao baixo, eu admiro profundamente Charles Mingus, Ron Carter e Les Claypool. Porém acredito que minhas composições sejam mais influenciadas por Chet Baker nas composições mais calmas, e pela banda Muse nas mais agitadas” (Harry)

“Eu sempre gostei de Rock e acredito que influencia muito na hora de produzi-lo. Ver bandas crescendo em Brasília, só estimulam mais o nosso crescimento, porque é dessa forma que a gente vê o progresso de cada grupo, e encarar isso de perto é muito gratificante.” (Matheus)

“Comecei a cantar na minha quinta série, em um trabalho de música da escola, resultado: me apaixonei pelo canto. Desde então, sempre sonhei em fazer aulas de canto, mas ainda não tive a oportunidade. Sempre tive muita influência musical, meus pais são grandes fãs de MPB, meus irmãos curtem um rock, jazz, blues, soul e rock, meu namorado adora rap e rock. Foi ele que me apresentou bandas que hoje estão entre minhas favoritas, ele sempre me incentivou a investir no canto.

Levo como grande inspiração pra minha vida, ELAS: Natalie Bergman, Amy Winehouse, Joan Jett, Janis Joplin, Aretha Franklin, Nina Simone entre outras grandes artistas.”  (Alicia)

Como é o dia a dia da banda?

“Nós quatro (eu, Pedro, Matheus e Harry) estudávamos no mesmo colégio e nos víamos todos os dias por um longo período, a Alicia não estudava com a gente.

Hoje em dia nos vemos algumas vezes na semana e por um tempo menor, mas sem perder um pingo se quer da amizade e intimidade.

Agora para tratarmos de assuntos da banda ou sobre músicas geralmente são conversas pós algum ensaio, que a maioria é no final de semana, ou as vezes nor reunimos na casa do Matheus” (Gus)

 

O Que vocês acham do atual cenário musical brasileiro?

“Eu acho que o atual cenário musical brasileiro está crescendo muito devido a esse companheirimo que as bandas de rock tem entre si pra ajudar a cena crescer, e isso é muito lindo na real! Por conta disso, surge novas oportunidades para todas as bandas que estão batalhando por um mesmo objetivo, realização, para expor seu trabalho e ser valorizado. Várias bandas estão conseguindo se destacar, e acho que a gente, NaVan, tá chegando lá” (Alicia)

“Pois é, e tem muitas bandas de qualidade em vários estilos diferentes, é legal de ver que o Brasil tá bem eclético e que as bandas tem uma identidade muito original.

Alguns exemplos de bandas que estão crescendo bastante: O Terno, em São Paulo e que é simplesmente genial. Far From Alaska que é, pessoalmente, uma das minhas preferidas, eles são de Natal/RN. Dona Cislene de Brasília. Nove Zero Nova no Rio de Janeiro. Carne Doce em Goiânia. O que não falta são bandas regionais boas, só tem que se esforçar um pouquinho para encontrar.

Voltando para a nossa cidade, em Brasília tem várias bandas que prometem muito, duas recomendações pessoais são: O Tarot que lançou um EP a menos de um ano e Lupa que lançou um álbum a alguns meses atrás. Fora as várias bandas que estão começando agora e estão trilhando o mesmo caminho que a gente.

E por último, qual tem sido a maior dificuldade para vocês?

“kkk, eu moro muito longe, e como ainda não saí do ensino médio, minha rotina acaba sendo muito apertada, acaba atrapalhando um pouco os encontros da banda. Mas a gente sempre faz dar certo!” (Alicia)

 

 

 

Confira a baixo uma palinha acustica do que é essa banda demonstrando um potencial monstruoso. Autêntica e agradável, NaVan será uma daquelas bandas que fará você querer escutar mais e mais:

ps. O guitarrista Pedro não estava presente nesse dia, mas não se desespere, vá aos shows da banda e confira todo seu know-how

 

Anúncios

2 comentários »

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s